a última canção

Segunda-feira, Maio 24, 2004

a última canção
(ou sobre lost in translation)

Ela sabia desde a primeira vez que ouviu que aquela era a música lenta da despedida. Ficou por ali, querendo partir, mas sem saber por onde começar. Mas ir embora não tem começo. É só levantar. Precisa nem olhar para trás. Acontece que ela estava imóvel. Os únicos músculos que conseguia mexer estavam na face, faziam-na chorar. Ela também respirava. E ainda havia o coração, que batia. E o descer de lágrimas, o vai-e-vem do peito e as batidas do seu coração se misturavam aos acordes daquela canção. E tornavam-na mais bela e mais triste. À sua volta, ela procurava qualquer coisa em que pudesse acreditar. Ela queria crer. Mas prova nenhuma não havia. Nem beijo, nenhum bilhete, uma chamada perdida no telefone, uma fotografia, uma pista sequer. Ela não tinha nem nada para levar consigo. Enquanto percebia, se levantava. Mas ela ainda não queria.

Comentários

Nunca se quer de verdade, mas se tem que ir, sempre…


Gravatar Ah, mag… à vezes se quer, sim! mas nem por isso é mais fácil.
bjs
: ))


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: